sexta-feira, 1 de maio de 2015

Quatro poemas de Ruy Cinatti



AGARREI NO AR

Agarrei no ar um véu
esmaecido de azul,
igual ao azul do céu
iluminado pela lua.
Eu passo a vida a sonhar
iluminado pela lua.


TEUS OLHOS

Teus olhos, Honorine, cruzaram oceanos,
longamente tristes, sequiosos,
como flor aberta nas sombras em busca do Sol.
Vieram com o vento e com as ondas,
através dos campos e bosques da beira-mar.
Vieram até mim, estudante triste,
dum país do Sul.


PRAIA PRESA

Praia presa, adiantada
no mar, no longe, no círculo
de coral que o mar represa.
Praia futura invocada.
Timor ressurge das águas,
praia futura invocada.


AMANHÃ É OUTRO DIA 

Andamos à deriva como num pranto de morto
ungido por mãos amigas, renovado
pela saudade e pelo tacto
físico, pela dor nata,
palavrório e facto
que entanto ferem como ortiga
oculta e cardo.

Então é ver como acorrem,
pressurosos, os benquistos
presentes sempre ao festim
da morte, por devoção.

Mas há que tomar destino,
morder o pó respirado,
cegar com amor, com ódio,
a comum face dos vivos.