sexta-feira, 31 de março de 2017

Três poemas de Maya Angelou



AINDA ASSIM ME LEVANTO

Você pode me inscrever na história
Com as mentiras amargas que contar
Você pode me arrastar no pó,
Ainda assim, como pó, vou me levantar

Minha elegância o perturba?
Por que você afunda no pesar?
Porque eu caminho como se eu tivesse
Petróleo jorrando na sala de estar

Assim como a lua ou o sol
Com a certeza das ondas no mar
Como se ergue a esperança
Ainda assim, vou me levantar

Você queria me ver abatida?
Cabeça baixa, olhar caído,
Ombros curvados como lágrimas,
Com a alma a gritar enfraquecida?

Minha altivez o ofende?
Não leve isso tão a mal
Só porque eu rio como se tivesse
Minas de ouro no quintal

Você pode me fuzilar com palavras
E me retalhar com seu olhar
Pode me matar com seu ódio
Ainda assim, como ar, vou me levantar

Minha sensualidade o agita
E você, surpreso, se admira
Ao me ver dançar como se tivesse
Diamantes na altura da virilha?
Das choças dessa história escandalosa
Eu me levanto
De um passado que se ancora doloroso
Eu me levanto
Sou um oceano negro, vasto e irrequieto
Indo e vindo contra as marés eu me elevo
Esquecendo noites de terror e medo
Eu me levanto
Numa luz incomumente clara de manhã cedo
Eu me levanto
Trazendo os dons dos meus antepassados
Eu sou o sonho e as esperanças dos escravos
Eu me levanto
Eu me levanto
Eu me levanto

* Tradução de Francesca Angiolillo. Publicado inicialmente na Folha de São Paulo.


ROSTOS

Rostos e mais se lembram
depois rejeitam
os dias marrom caramelo da juventude.
Rejeitam a teta chupada de sol das
manhãs de infância.
Furam canos de arma no olhar paralisado de fé de uma boneca predileta.
Inspira, Irmão,
e desloque o ódio do momento com amor organizado.
Um poeta grita “CRISTO ESPERA NO METRÔ!”
Mas quem que vê?


HOMENS

Quando eu era nova, tinha por hábito
Observar por trás das cortinas
Homens que subiam e desciam a rua. Os homens da manguaça, os homens de idade.
Homens moços afiados feito mostarda.
Veja. Os homens estão sempre
Indo a algum lugar.
Sabiam que eu estava lá. Quinze
Anos e faminta por eles.
Sob minha janela, eles paravam,
Os ombros altos como os
Peitos de uma moça,
A cauda dos casacos batendo
Naqueles traseiros,
Homens.
Um dia eles te seguram nas
Palmas das mãos, gentis, como se você
Fosse o último ovo cru do mundo. Então
Te apertam. Só um pouco. O primeiro
Aperto é bom. Um abraço rápido.
Suave na sua fraqueza. Um pouco
Mais. A dor começa. Arranca um
Sorriso que contorna o medo. Quando o
Ar desaparece,
A mente estoura, explodindo com violência, breve,
Como a cabeça de um fósforo. Estilhaçada.
É o seu sumo
Que escorre pelas pernas deles. Mancha os sapatos.
Quando a terra se põe outra vez no lugar,
E o gosto tenta voltar à língua,
Seu corpo já se fechou. Para sempre.
Chave nenhuma existe.

Então a janela se cerra toda sobre
Sua mente. Lá, além
Do balanço das cortinas, os homens caminham.
Sabendo algo.
Indo a algum lugar.
Mas desta vez eu vou só
Ficar aqui e observar.

Talvez.


* Traduções de Adriano Scandolara. Publicado inicialmente no blog Escamandro.

sexta-feira, 24 de março de 2017

Três poemas de Ievguêni Ievtuchenko



DORME AMOR

Brilham na vala as gotas salgadas.
A porta está fechada. E o mar,
fervente, erguendo-se e rompendo contra os diques,
absorveu o sol salgado.
Dorme amor...
Não atormentes a minha alma.
Adormecem já as montanhas e a estepe,
e o nosso cão coxo,
de pêlo emaranhado,
deixa-se cair e lambe a corrente salgada.
E o rumor dos ramos,
e o fragor das ondas,
e o cão acorrentado
com toda a sua experiência,
e eu com voz muito branda
e logo num murmúrio
e depois em silêncio
dizemos-te ambos: dorme, amor...
Dorme, amor...
Esquece que nos zangámos.
Imagina por exemplo:
acordamos.
Tudo está fresco.
Caímos sobre o feno.
Temos sono.
Vem um cheiro a leite azedo
lá de baixo,
da cave
convidando a sonhar.
Oh, como poderei fazer-te
imaginar tudo isto,
a ti, tão desconfiada!
Dorme, amor...
Sorri entre sonhos.
Não chores mais!
Corta flores e vai pensando
onde hás-de pô-las,
e compra muitos vestidos bonitos.

Disseste alguma coisa?
É o cansaço do teu sonho inquieto.
Envolve-te no sonho, agasalha-te bem nele.
Podemos ver em sonhos tudo o que queremos,
tudo o que ansiamos
quando estamos acordados.
É absurdo não dormir,
é mesmo um delito:
o que trazemos oculto
grita-nos nas entranhas.
Que difícil para os teus olhos
trazer tanta coisa!
Debaixo das pálpebras
sentirão o alívio do sonho.
Dorme, amor...
Porque estás acordada?
É o bramido do mar?
A súplica das árvores?
Um mau pressentimento?
A sem-vergonha de alguém?
Ou talvez não de alguém,
mas simplesmente a sem-vergonha minha?
Dorme, amor...
Não é possível fazer nada,
mas sabe desde já que não é culpa minha esta culpa.
Perdoa-me 
 estás a ouvir?
Ama-me 
 estás a ouvir? 
mesmo que seja só em sonhos,
só em sonhos!
Dorme, amor...
Estamos num mundo
que voa enlouquecido
e ameaça explodir,
e é preciso abraçarmo-nos
para não cairmos dele,
e se tivermos que cair,
vamos cair abraçados.
Dorme, amor...
Não te deixes encher de raiva.
Que o sonho penetre suavemente nos teus olhos
já que é tão difícil dormir neste mundo.
Mas apesar de tudo
 ouves-me, amor? 
dorme...
E o rumor dos ramos,
e o fragor das ondas,
e o cão na corrente
com toda a sua experiência,
e eu com voz muito branda
e logo num murmúrio
e depois em silêncio
dizemos-te ambos: dorme, amor...


ENTRE A CIDADE SIM E A CIDADE NÃO 

Sou um comboio rápido
que há muitos anos vai e vem
entre a cidade Sim
e a cidade Não.
Os meus nervos estão tensos
como cabos
entre a cidade Não
e a cidade Sim.

Tudo está morto e assustado na cidade Não.
É como um embrulho feito de tristeza.
Dentro dela todas as coisas franzem a testa.
Há medo nos olhos de todos os retratos.
De manhã enceram com bílis o soalho.
Os sofás são de falsidade, as paredes de miséria.
Nunca te darão nessa cidade um bom conselho,
nem um ramo de flores, nem um simples aceno.
As máquinas de escrever batem, com cópia,
a resposta:
"Não-não-não... não-não-não... não-não-não..."
E quando enfim se apagam as luzes
os fantasmas iniciam o seu lúgubre bailado.
Nunca, ainda que rebentes, arranjarás bilhete
para fugir da negra cidade. Não.

Ah, mas a vida na cidade Sim é um canto de ave.
Não tem paredes a cidade, é como um ninho.
As estrelas dizem que as acolhas nos teus braços.
E sem vergonha seus lábios pedem teus lábios,
num brando murmúrio: "São tudo tolices..."
A flor provocante implora que a cortes,
os rebanhos oferecem o leite com seus mugidos,
ninguém tem ponta de medo.
E aonde queiras ir te levam num instante comboios,
barcos, aviões,
e com um rumor antigo vai a água murmurando:
"Sim-sim-sim... sim-sim-sim... sim-sim-sim..."
Mas às vezes é certo que aborrece
ser-me dado, afinal, tudo sem esforço
nesta cidade Sim, deslumbrante de cor.

É melhor ir e vir até ao fim da minha vida
entre a cidade Sim
e a cidade Não!
É melhor ter os nervos tensos como cabos
entre a cidade Não
e a cidade Sim!

* Traduções de J. Seabra-Dinis

ENCONTRO EM COPENHAGUE

Sentados no aeroporto em Copenhague
atacávamos juntos o café.
Ali tudo era belo,
confortável 
 

Ambiente refinado como quê!
E de súbito
aquele velho surgiu,
japona simples e capuz verde oliva,
pele curtida
por lufadas salinas,
ou melhor,
não surgiu,
exsurgiu.
Caminhava,
singrando por turistas,
como se houvesse largado o leme faz pouco,
feito espuma do mar
a barba híspida
branca
emoldurava-lhe o rosto.

Com sombria decisão de vitória
caminhava,
erguendo uma onda volumosa,

através de antiqualhas
de um moderno postiço,

através do moderno posiçando o antigo.

E abrindo a gola da camisa rústica,
ele, rejeitando o vermute e o pernaud,
pediu ao balcão uma vodca russa
e repeliu a soda com um gesto:
“No...”
Mãos gretadas, com cicatrizes,
curtidas,
sapatos grossos, arrastando solas,
calças incrivelmente encardidas, —
era mais elegante
do que todos em roda!

A terra sob ele como que afundava,
com o peso daquelas passadas.
Um dos nossos sorriu-me:
“Ei!
Veja se não parece Hemingway!”
Caminhava,
expresso em gestos curtos,
andar de pescador, pesado, lento,
todo talhado num rochedo bruto,
como através das balas,
através dos tempos.

Caminhava, encurvado, como na trincheira,
abria caminho entre pessoas e cadeiras...
Parecia-se tanto com Hemingway!
— Depois fiquei sabendo:
era Hemingway. 


* Tradução de Haroldo de Campos e Boris Schnaiderman.

sexta-feira, 17 de março de 2017

Três poemas de Theodore Roethke



A DECISÃO

I
O que faz mover o olho se não o invisível?
Fugir de Deus é a estrada mais longa.
Quando jovem era perseguido por um pássaro –
O galispo recuava lento com seu canto
Não conseguia arrancar da mente aquele som,
O sonolento rumor de folhas num rápido vento.

II
Levantar ou cair, a disciplina é só uma!
A linha do horizonte se aguça!
Qual é o caminho?, grito ao pavoroso escuro,
As brasas às minhas costas, a instável sombra.
Qual é o caminho?, pergunto, e me disponho a andar
Como um homem que enfrenta a chegada da neve.


O HIPOPÓTAMO

A Cabeça ou o Rabo – o que falta neles?
Creio que é sua Dianteira o que volta!
Vivem com Cenouras, Alho-poró e Feno;
Bocejam – e levam o Dia Inteiro –

Muitas vezes penso que viverei assim.


O DIAMANTE

O pensamento não pode triturar-se
A grande forja bate em vão.
A verdade não se quebra nunca;
Sua armação permanece.

Os dentes de entrelaçadas engrenagens
Giram lentamente na noite,
Mas a verdadeira substância resiste
Ao peso do martelo.

A pressão não pode romper
Um centro tão petrificado;
A ferramenta não arranca nem uma lasca de madeira,
O núcleo acaba firme.

* Tradução de Pedro Fernandes de O. Neto

sexta-feira, 10 de março de 2017

Um poema de Miodrag Pavlović


A FORMA DESEJADA

O que significa "a forma que se deseja?"
Claro, é o aspecto em cuja direção a ânsia caminha,
com o qual deseja proximidade, e que pretende ter e sua morada.
Ainda assim, o que deseja aproxima-se de modo insuficiente
e não se pode colocá-lo sob controle.
Existe a forma que se admira, que se busca,
o que se carrega, não é preciso interromper a vontade
de contemplá-la, a volição não conduz mesmo a lugar algum.
Quando se encontra a forma desejada, e consegue-se ficar
                                                              com ela,
obtém-se um desejo que também se torna bagagem.
A imprecisão do desejo tem um aspecto positivo:
pode transformar cada um de nós em outra coisa,
a forma desejada torna-se alta ciência, indicador de caminhos
sequer precisa expressar, promessa de abundância
e tesouro que se concentra em nossas mãos, para que
possamos submetê-lo ao consumo, aquela mão ocupada
                                                         de fecundidade,
e força que nasce no mundo para nele depois
desapossar a plenitude e lançar no precipício o arvoredo
                                                        primevo.
Aquilo que nos atrai e chama - articula a tentação
e conduz-nos ao bosque que jamais foi o do paraíso
em nome da perfeição ali até o crime acaba justificado
assim é desde o princípio - os outros são postos de lado
para que a nossa verdade seja executada como se fosse
                                                         descoberta
ou renunciamos ao mundo para que enxerguemos a beleza
escondida atrás da mente e descartemos as aparências
que já pediam para serem apagadas da lista e trocadas.
Por isso, toda ânsia é vil, ao menos no início
até que surja um novo poder, habitualmente
pior e mais violento que o anterior, e então instaura-se
                                                         a possibilidade
e a forma que nos traduz para outra língua.
Arrancamos as raízes da floresta virgem e aproximamo-nos
                                                        daquilo
que volteia como pássaro acima do sol poente
depois se aninha sobre a árvore sagrada e doura
a forma depositada no tronco e na ramagem-que-jamais-murcha.

* Tradução de Aleksandar Jovanović

sexta-feira, 3 de março de 2017

Dois poemas de Paulo Hecker Filho


DESASTRE COMO ESTRELA COMOVIDA

Se alguma coisa tenho para dar-te,
Se alguma coisa me sobrou da vida:
Selvagem, mas talvez maior que a arte,
Foi um desastre como uma estrela comovida.

Era quem sabe o que eu pedia ao vento
Quando pulsava o dia como um louco.
Voar, sem fim, sedento de desfazimento,
Em luz, como uma estrela, em força, como um soco.

E sobrou-me esta estrela entre os braços,
Perdida como uma outra nos espaços.
em seu fogo me fundo e me refaço

Para arder outra vez em seu regaço.
E o que trago da vida e reentrego à vida
— Um desastre como uma estrela comovida.


CIGARRO

A brasa silenciosa me consome o cigarro.
Olho-a e me deixo ir junto, incinerando.
Há um gosto de fim no acre sabor do sarro
e a fumaça me enlaça feito um fantasma brando.

Vou lançando no ar volutas em que esbarro
impulsos de um querer que se desfaz pairando.
E o cinzeiro me dá uma náusea de barro
com a tumba circular das baganas cheirando.

O ameno suicídio de fumar isolado. . .
A vida a reduzir-se à chama que caminha
para o centro de um eu que se vê descentrado.

Me abandono a fumar, fica tudo afastado.
Vou indo pelo tempo à hora que avizinha
de enfim não ter vivido, mas fumado. . .